domingo, 30 de dezembro de 2012

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

domingo, 16 de dezembro de 2012

Porra...

Até parece a sério! Imaginação...


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Mais um assalto ao Caramulo...

Dia 1 de Dezembro foi a data escolhida para novo assalto ao Caramulo. Novamente nos juntámos ao batalhão da Mealhada. O Rui Ventura, o Casaleiro e a Célia foram os guerreiros do PMC designados para esta árdua tarefa. E cumpriram a preceito. Quanto aos outros por "impossibilidades de última hora" não ajudaram. Ficam a dever.
Aqui ficam imagens da nossa presença...



















sábado, 24 de novembro de 2012

Fotos curiosas...

Algumas curiosidades que vamos encontrando nas nossas voltas.
Mata da Geria - Coimbra
São Sebastião - Penela

Campos do Mondego










quarta-feira, 14 de novembro de 2012

10 razões...

Dez boas razões para andar de bicicleta:

1.   O custo de uma boa bicicleta é 10 vezes inferior ao de um carro médio.
2.  A bicicleta minimiza a parte do orçamento familiar dedicado ao carro.
3. A utilização deste meio de transporte permite fugir aos engarrafamentos e reduz o tempo Das deslocações.
4.  Promove um bom estado de saúde e, por consequência, diminui a necessidade de recorrer a medicamentos.
5.   Pedalar emagrece
6.  Andar de bicicleta é um exercício aeróbico, portanto queima calorias e ajuda no processo de emagrecimento.
7.  Diminui o stress
8. Como qualquer outro exercício, pedalar estimula a produção de endorfina, neurotransmissor que dá a sensação de bem-estar. Ou seja, no final de uma boa pedalada, vai estar menos stressado e sentindo-se muito bem.
9. Previne doenças, aliás, muitas doenças hoje são provenientes do sedentarismo o que pode ser evitado com a prática regular de exercício. A bicicleta estimula os sistemas cardio-pulmonar e muscular prevenindo o aparecimento de várias doenças tais como diabetes, enfarte agudo do miocárdio, AVC, entre outras.
10. Do ponto de vista de transporte público: Fazer ciclo vias é muito mais barato do que qualquer outro tipo de transporte. Vivemos num país onde podemos andar de bicicleta o ano todo, porém temos poucas opções seguras de utilizá-la com baixo risco. Alguns países que possuem um clima frio aproveitam ao máximo os 3 meses de Sol.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Einstein...

Não sabia que o A. Einstein tinha dito isto, mas tem toda razão...


domingo, 28 de outubro de 2012

Downtown...

Não sei onde é este downtown, mas pela apresentação vale a pena lá ir. Digo mais, se o uptown é o que se vê, o downtown imaginem!!!
Assim andava todos os dias de bicla, desapareciam as dores todas...


segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Rota Vicentina...

A associação Casas Brancas com o apoio de diversas entidades oficiais, criou dois percursos na costa alentejana e costa vicentina - Caminho Histórico e Trilho dos Pescadores. O Caminho Histórico liga Santiago do Cacém ao Cabo de São Vicente, percorrendo caminhos rurais, passando pelas principais vilas, atravessando serras, vales, rios e ribeiras, numa verdadeira viagem pelo tempo, com 340 kms. Pena é que não ande mais junto da costa.
O Trilho dos Pescadores é um percurso junto à costa Vicentina com inicio em Porto Covo e fim no Cabo de São Vicente e que segundo os promotores apenas se percorre a pé. Será? Será que não dá para fazer de bike? Deve ser espectacular.
De referir que esta associação tem os trilhos praticamente sinalizados o que será sem dúvida uma excelente ajuda para um passeio fabuloso.
Quem sabe se um dia quando a vontade nos atacar com força se faça um destes percursos. Saibam mais aqui: http://www.rotavicentina.com/pt/






quarta-feira, 10 de outubro de 2012

sábado, 6 de outubro de 2012

Há dias assim...

Depois de vários adiamentos, o dia da Implantação da República, o último que comemoramos (se estes governantes de merda não se forem embora), foi a data escolhida para o nosso passeio anual conjuntamente com o Pessoal da Treta, na zona da Lagoa de Óbidos.
Encontro como sempre nas Caldas, às 9h 30m lá partimos para a volta higiénica de cerca de 50 kms, com o gps a indicar caminhos que só existem no Google maps. Ainda não tínhamos começado a pedalar e logo uma "cavilha = prego" com 5 cm furava o pneu traseiro. Qual gel qual quê! Depois de substituída a câmara, alguns metros andados e nova paragem, o pneu queria saltar do aro. Sem dúvida um começo em grande. Rumo a Óbidos não sem antes termos que saltar uma vedação duma pedreira. Normal, é sempre assim todos os anos e como tal já faz parte da volta.
Chegados a Óbidos uma exposição sobre o Egipto (pirâmides, faraós, etc) e após uma conversa um pouco estranha lá consegui que o porteiro, egípcio, nos deixasse tirar uma foto à frente da entrada. Mais um pouco de linguagem gestual e lá o pus a tirar a foto que se segue.
A volta lá continuou, pelo caminho apanhámos um betetista solitário que nos acompanhou e que conhecia os trilhos, antes da Lagoa.
Até à Foz do Arelho nada a registar e depois da foto da praxe, eu o Vitor e o Bruno decidimos atravessar a Lagoa pela água. Após consulta a alguns apanhadores de "cricos" fomos obrigados a desistir porque segundo eles na zona do canal a profundidade era "grande". Entretanto O João, o Rui e o Lobo tinham regressado. A contragosto e derrotados por meio metro de água, fizémos o caminho de regresso.
No Arelho as costas começaram a berrar e a dizer que não aguentavam muito mais, apesar do bom resultado das fitas kinésio. Muito a custo continuei com a companhia do Vitor e do Bruno, até que decidi seguir sozinho porque a situação se ia agravando. E muito pior ficou, quando sem razão aparente a má disposição me atacou, resultante de profunda desidratação. Paragem numa tasca, 0,5 litro de água e nada. Continuei, nauseado, quando de repente surge a salvação: o Bruno veio buscar-me de carro. Banho, gel, bebida isotónica e nada. Direitos ao restaurante, que a tiborna de bacalhau arrefecia, fiquei no carro a descansar, enquanto os outros comiam e bebiam. Mais uma coca-cola e uma banana e finalmente a coisa melhorou.

Ainda entrei no Solar dos Bons Amigos, mais para descansar a cabeça dum dj que durante todo o tempo só cantou e passou música pimba, dos quais destaco os grandes êxitos "Quem será o pai da criança", "A  vida que eu escolhi" e outras que tais. 
Despedidas e a combinação de novo passeio desta vez em Sintra.
À hora que escrevo este post as costas continuam mal e as pernas berram com caimbras. Conselho: nunca atinjam os limites do vosso corpo. Não ganhamos nada e ficamos em muito mau estado.
Conclusão: Há dias de manhã que um homem à tarde não pode sair à noite!

domingo, 23 de setembro de 2012

Fomos à DBR...

Tal como prometido o ano passado, voltámos à Douro Bike Race, prova que colocou mais uma vez à prova todas as forças físicas e mentais dos riders participantes neste excelente evento. Fomos dois, os elementos do Por Maus Caminhos - Rui Ventura e Vladimiro Casaleiro - a participar no nível "adventure", constituído por duas etapas, num total de 140 km, com mais de 5000 m de acumulado.
No 1º dia da adventure, com a serra do Alvão como pano de fundo já se adivinhava um dia bastante duro, com 90km para percorrer e 3200 m de acumulado. Subida, subida e mais subida, foi o que fizemos nos perto de 30 km iniciais que deram para aquecer bem as pernas até ao 1º abastecimento. Aqui com a banca bem recheada de frutas, barras, bebidas, bolos e muito boa disposição de todo o STAFF, fomos repondo algumas energias e falando do que ainda estava para vir. 
Alguns dos mais conhecedores do percurso comentavam que o pior ainda estava para chegar. Sempre a tentar dosear bem a cadência para que não fossemos surpreendido pelo cansaço antes do tempo, lá íamos apreciando as paisagens deslumbrantes da magnífica serra do Marão e assim tentar não pensar nos kms que ainda faltavam percorrer.
Feito o 2º abastecimento, aí a situação começou mesmo a piorar, trilhos bastante técnicos com tanta pedra que obrigou a muitos participantes a fazerem descidas à mão e subidas com a bike às costas durante alguns Kms. Várias reparações mecânicas, substituição de câmaras foram uma constante. Dureza, era a palavra mais apregoada por todos, mas BTT é isso mesmo, suor e sacrifício. Nesta altura o cansaço já era mais que notório, algumas cãibras começavam a fazer mossa, isto porque descurámos os alimentos sólidos, comprometendo a restante da prova.
Último abastecimento e foi altura de fazer a pausa mais longa para recuperar forças e repor os alimentos necessários. Muitos eram os que já estavam deitados e sentados pelo chão a considerar a desistência na prova. Mesmo com alguma dificuldade lá continuámos para os últimos 30km apreciando as vistas e falar de alguns pontos de passagem como a ponte de arame, as Fisgas de Ermelo e o famoso Rock Garden que tanto atormentou muitos dos atletas com as suas perigosas rochas.
Finalizado o primeiro dia com um real empeno era hora do merecido descanso com uma boa e fresca cerveja Mahou que por sinal era bem boa para preparar e recuperar para o dia seguinte.
Dia 2 - Serra da Aboboreira, etapa mais curta de 50 km e 2000 m de acumulado, mas mesmo assim muito dura. Etapa muito mais ciclável que a anterior, com paisagens soberbas sobre Amarante e várias descidas fantásticas com bastantes single tracks. O defeito das descidas é que primeiro tem que se subir e neste caso muito.
Mais uma DBR concluída, bastante sofrida, mas com um sorriso bem aberto por ter conseguido terminar sem problemas de maior. Para 2013 talvez a EPIC mas para isso a preparação terá que ser melhorada.
Não posso deixar de mais uma vez dar os parabéns a todo o staff que contribuíram para o sucesso desta prova e fizeram das “tripas coração” para que tudo corresse a 100%. PARABÉNS A TODOS e até 2013.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Red Bull Rampage...

Top 5 do Red Bull Rampage. Alguns são mesmo "biolentos carago".

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

PMC's na DBR...

A Douro Bike Race que se disputa este fim de semana conta com dois PMC's - O Rui Ventura com o nº 641 e o V. Casaleiro com o nº 643. Vão alinhar na prova Adventure que decorre em dois dias com um total de 140 kms. Esta prova percorre as serras do Alvão (90kms) e da Aboboreira (50kms).
Para semana daremos conta de como foi a sua participação.


sábado, 8 de setembro de 2012

Espectacular...

Este vídeo é espectacular quer pelas paisagens quer pelos locais por onde os freeriders andam.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Fazer melhor...

A Junta de Freguesia do Zambujal colocou à entrada da localidade, no caminho de Santiago, esta lápide em azulejo, contando uma breve história da passagem do santo pela localidade. Está escrita em português, inglês e francês.

O Zambujal é talvez a localidade na zona centro que mais faz pela informação aos peregrinos de Santiago. Toda a aldeia , bem como Fonte Coberta e Poço das Casas estão devidamente sinalizadas com placas.

Um exemplo a seguir, por outras localidades, tais como Cernache e Coimbra, em que as indicações se limitam às setas amarelas pintadas pela ASACS (penso eu).
Nas minhas voltas pela zona do Sicó e em particular no Verão cruzo-me sempre com vários peregrinos, e esse número tem vindo a aumentar, pelo que as juntas de freguesia e as comissões de melhoramento das aldeias e localidades atravessadas pelo Caminho, têm um papel fundamental neste trabalho de orientação e consequente promoção local. Vejam o que se faz em Espanha! A diferença é abismal.  

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

David Rosa nos JO de Londres...

David Rosa participou e terminou na 23ª posição da prova de BTT dos Jogos Olímpicos de Londres. O português partia da penúltima linha da grelha e chegou ao 19º lugar mas uma queda na descida de pedra relegou-o para a posição em que terminou, um resultado muito positivo, tendo em conta o seu ranking na UCI.

A descida que provocou a queda

A competição em que terminaram 42 dos 50 participantes foi ganha pelo checo Jaroslav Kulhavy, seguido pelo suíço Nino Shurter e pelo italiano Marco Fontana.

O vencedor exausto após a chegada

quarta-feira, 18 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

Literatura de férias...

DE BICICLETA - ANTOLOGIA DE TEXTOS: Este livro reúne alguns dos mais interessantes escritos literários sobre a bicicleta publicados nos últimos cem anos. São vinte e dois autores reunidos para celebrar alegrias, dores e possibilidades de um meio de locomoção, de um desporto e de uma arte que conhece actualmente um novo fôlego. 
Um livro para ler nas férias nos intervalos dos mergulhos ou nas folgas dos olhos para os provocantes biquínis e respectivo interior.  
Preço cerca de 15€. Vale a pena e é de leitura obrigatória para os que gostam de biclas.



domingo, 24 de junho de 2012

Patuscada e btt...

Há já algum tempo que queríamos conhecer os percursos das Aldeias de Xisto. Ontem começámos pela Ferraria de S. João, dado que o centro de btt tem todas as condições (ontem a água resolveu faltar).


Para além de ser a primeira vez nestes bonitos trilhos era também a estreia dos novos equipamentos do PMC, que após um longo período de estudo e análise por parte dos mais conceituados designers, a juntar aos 2 meses que o fabricante os demorou a fazer, ao que parece devido à enorme complexidade de desenhos e símbolos.
10 horas começámos a pedalar optando pelo percurso nº 3 com grau de dificuldade - difícil - apesar de ter apenas 30 kms, mas com muitas subidas e algumas poucas descidas. Percurso de grande beleza pelas paisagens que se avistam em vários pontos. 

Apesar da vontade das pessoas e das entidades oficiais que investem muito dinheiro nestas infraestruturas, é necessário fazer manutenção, em particular dos percursos, este reparo a propósito da falta de indicações, umas porque os paus apodrecem, outras porque alguém as retirou (provavelmente não conseguiam passar) e outras queimadas pelo fogo. Aconselhamos que descarreguem o track de gps em: http://www.aldeiasdoxisto.pt/centrosbttdet/63/5/572/1799/20
Os problemas começam logo de inicio porque as setas a sul da aldeia não se vêem e temos que adivinhar e tentar procurar a próxima. Logo a seguir no meio da mata outra seta estava caída. Esta fase inicial é a descer para de seguida subirmos e muito, num trilho cheio de ramos de eucalipto, porque aqui e noutros locais os madeireiros insistem em deixar as estradas cheias de lixo. As entidades oficiais deviam obrigar esta gente a limpar os caminhos.
Passamos em diversas aldeias onde se vê a recuperação de casas em xisto, mas infelizmente pessoas são raras, apenas alguns velhos à porta das casas.
A parte norte da encosta da serra está toda vestida de negro, depois do incêndio recente, que como já referimos queimou as indicações provocando um engano que encurtou o percurso nalguns quilómetros levando-nos novamente até à Ferraria. 






Mas, não contentes e como ainda era cedo para a febra, toca de subir até ao santuário de S. João. Depois de apreciada a espectacular paisagem e tiradas as fotos da praxe, descobrimos novamente o percurso nº 3 que nos obrigou a subir ainda mais e nos levou até um trilho muito técnico todo em pedra. 


Com tudo isto o tempo passou depressa e o petisco chamava por nós.
Como já referimos o centro tem todas as condições, a casa de banho até tinha toalhas e sabonete liquido, infelizmente ontem a água faltou. De salientar a simpatia dos proprietários da Casa do Sapateiro que se deslocaram até ao centro para falarem connosco e justificarem a falta de água e das falhas já referidas no percurso.
Um pequeno parque de merendas, onde os visitantes pudessem fazer as suas refeições, era o toque final para este excelente centro, junto duma aldeia bonita, bem recuperada e com gente simpática.
Apesar da volta ser curta (não chegou aos 30 kms) deu para suar e muito, pelo que as minis fresquinhas souberam que nem ginjas. Instalado o estaminé, grelhador, mesas e cadeiras, as salsichas de peru, febras, costeletas e entremeada acompanhadas de pão e broa foram marchando, empurradas pelas já referidas minis, finalizando com um café.

Então não é que mesmo no fim chegou a água!
Um dia diferente e espectacular e que vai ser repetido aqui e noutros centros. 
Presentes neste passeio: João Miranda, João Nuno, Luís Fonseca e Rui Ventura.
Ref: mapa_btt_ferraria.pdf e  track gps: FSJ_vermelho_n3.GPX